As pinturas serão executadas de acordo com o tipo e cor indicados no projeto e nas especificações.

As  superfícies a serem pintadas deverão ser examinadas e corrigidas de todos e quaisquer defeitos de revestimentos, antes do início dos serviços. Todas as superfícies a pintar deverão estar secas; serão cuidadosamente limpas e preparadas para o tipo de pintura a que se destinam.

Cada material, face às características, sofre diferentes processos de preparação da superfície, antes de receber o acabamento.
Dentre os mais empregados, destacamos como exemplo:
Madeira    Superfície aparelhada, raspada e lixada
Rebocos    Raspados com espátula, ligeiramente lixados e  escovados.
Metais    Jateados com areia ou partículas metálicas ; escovados com escovas rotativas ou manuais de fios de aço, esmerilhados, lixados com lixas comuns ou discos abrasivos, solventes, etc.

Toda vez que uma superfície tiver sido lixada, esta será cuidadosamente limpa com uma escova e, depois, com um pano seco, para remover todo o pó, antes de aplicar a pintura.

A segunda demão de tinta e as subseqüentes só poderão ser aplicados quando a anterior estiver perfeitamente seca. Quando não houver especificação do fabricante, em contrário, deverá ser observado um intervalo mínimo de 24 horas entre as diferentes aplicações. Para as tintas à base de acetato de polivinila  (PVA) e aceite um intervalo de 3 horas. Igual cuidado deverá ser tomado entre uma demão de tinta e massa, observando-se um intervalo mínimo de 24 horas.

As tintas aplicadas devem ser de primeira linha, de boa qualidade e produzidas por indústrias especializadas e de gabarito. Cada tipo de  tinta é aplicado em suas características normais: cor, viscosidade, textura, etc. Caso sua aplicação seja à pistola, a tinta é diluída de acordo com as especificações do fabricante, empregando-se o diluente próprio ou recomendado.

As tintas deve ser sempre armazenadas na embalagem original, para facilitar, a qualquer momento, sua identificação;  devem ser estocados em locais frescos e secos,  livres de intempéries.

O uso de corante, para se obter a cor desejada ou alterar a tonalidade, fica restrito a determinação expressa em Memorial Descritivo.

A película formada pela tinta sobre a superfície pintada, também chamada filme, tem sua espessura, total ou parcial, de cada demão, determinada pelo fabricante. Esta espessura varia de acordo com a pigmentação e  espécie de tinta. O critério de medição usado é o mícron, cuja leitura numérica é 0,001 mm (milésimo de milímetro).

Deverão ser dadas tantas demãos quantas forem necessárias até que sejam obtidas a  coloração uniforme desejada e tonalidade equivalente, partindo-se dos tons mais claros, para os tons mais escuros.

Cuidados especiais devem ser tomados da pintura de cantos externas. As arestas dos diversos materiais não retém a pintura, principalmente  quando a mesma ainda não se solidificou. Para que a proteção seja perfeita, tais pontos devem levar o  dobro de demãos de tinta. Para tanto, a pintura deve se prolongar de um lado para outro adjacente e deste para  aquele.

Deverão ser evitados escorrimentos ou respingos de tinta nas superfícies não destinadas à pintura, tais como tijolos aparentes, lambris que serão lustrados e encerados, ferragens aparelhos de iluminação  e outros. Quando aconselhável deverão ser protegidos nos casos de pintura efetuados à pistola.

Os respingos que não puderem ser evitados, deverão ser removidos com emprego de solventes adequados, enquanto  a tinta estiver fresca.

Os trabalhos de pintura externa ou me local mal abrigados, não deverão ser executados em dias de chuva.

Amostragem

Antecede à pintura uma amostragem de cores, executada sobre a superfície idêntica aquela a ser pintada, inclusive com a mesma qualidade de tinta e preparação da base – primer – líquido base, massa, anticorrosivo, etc.

Se este critério não for seguido, a mostra não determinará a realidade e em comparação com o serviço executado, apresentará alterações.

Procedimento

A não ser que haja especificação em contrário, deverá ser observado o seguinte procedimento em relação à pintura dos diversos materiais nas obras:

1.     Rebocos

Antecede à pintura e preparação da base que compreende lixamento e raspagem com espátula para remoção das granas soltas, varrição com escova de pelo macio e aplicação de líquido base.

A pintura compreende o mínimo de 3(três) demãos de tinta e, quando especificado, aplica-se massa corrida em toda área, logo após a aplicação do líquido-base. Eventuais correções e repasses de massa, serão feitas entre a primeira e a segunda demãos de pintura.

2.     Madeira

As esquadrias  ou estruturas de madeira são pintadas com tinta óleo, esmalte, verniz ou látex. Antecede à pintura o lixamento de toda a superfície, aplicação de fundo fosco e correção com massa. São aplicadas no mínimo três demãos de tinta de acabamento.

A madeira deve ser sempre lixada com lixa fina, entre as demãos de tinta, razão pela qual a demão subseqüente somente é aplicada quando a interior estiver bem seca.

Quando tratar-se de envernizamento, a madeira deve ser melhor selecionada. O acabamento, antes da aplicação do verniz, deve ser esmerado; para tanto a madeira é lixada com lixas média e fina, após raspada com raspadeira de marceneiro.

Entre as demãos  de verniz também ocorrerá o lixamento com lixa bem fina, de preferência já usada.

As estruturas de madeira podem ser pintada com látex, desde que os elementos de fixação das peças (parafusos, braçadeiras, etc.) tenham recebido pintura anticorrosiva ou sejam galvanizados.

3.     Ferro

As esquadrias e estruturas metálicas podem ser pintadas a óleo, esmalte sintético, grafite, alumínio, etc.

Pôr tratar-se de material de fácil oxidação, antes da pintura de acabamento é feita a proteção anticorrosiva de toda a peça. Esta proteção á executada na oficina pelo fornecedor, e obedecendo um critério determinando de acordo com a maior ou menor agressividade ambiental.

Neste caso emprega-se uma pintura de proteção, conforme especificações à parte.

Quando  se tratar de caixilhos,  após boa e geral limpeza, aplica-se uma demão de tinta de acabamento, antes da colocação dos vidros ou acrílicos. Após sua colocação, são aplicadas as demãos restantes.

Não é necessário lixamento entre demãos de pintura.

4.     Materiais Diversos

Outros materiais, tais como concreto aparente tijolos ou blocos à vista, fibrocimento, vidro, etc., podem ser pintados quando especificado empregando-se material que melhor  se adaptar  a cada caso, sendo indispensável o uso de líquido base.

Quando se tratar de vidros, a transformação dos mesmos de incolores em fumê os pode ser  executada  por firma especializada, a qual deve empregar material de primeira qualidade, com garantia de duração mínima de cinco anos.

As pinturas sobre fibrocimento normalmente tem pouca durabilidade. Para solucionar tal problema, recomenda-se o uso de tinta Eternit,  da Eternit, fabricada sob encomenda especial para sete material e garantia ela  fábrica no que se refere a  qualidade.

Veja continuação no próximo post